19°C 32°C
Maringá, PR
Publicidade
Anúncio

No aniversário de São Paulo, artistas mostram papel dos indígenas 

Intervenção dá visibilidade à violência contra os povos originários 

25/01/2023 às 20h55
Por: Redação Fonte: Agência Brasil
Compartilhe:
© Rovena Rosa/Agência Brasil
© Rovena Rosa/Agência Brasil

A imagem do professor indígena Ari Uru-Eu-Wau-Wau, morto há dois anos, está estampada em 25 lambes (pôster artístico de tamanho variado que é colado em espaços públicos), espalhados em vários pontos de São Paulo, como Sacomã, Barra Funda e Cidade Tiradentes, por ocasião do aniversário da fundação da cidade de São Paulo, celebrado nesta quarta-feira (25). 

O objetivo da intervenção, promovida por um grupo de dez artistas e coletivos de arte da região metropolitana, é dar visibilidade à violência contra os povos originários que foi apagada da história oficial, tanto da capital paulista, como do Brasil.

Os lambes reproduzem a imagem criada pelo artivista Mundano em uma empena (cada uma das fachadas laterais de um edifício) de 618m² na lateral de um prédio na Rua Quintino Bocaiúva, perto da Catedral da Sé. 

"Pintei um guerreiro indígena olhando para a Catedral da Sé, em um território que antes de ser o que é, a partir da história contada pelos brancos colonizadores, ou seja, antes de ser o Marco Zero colonizador, era território indígena. O Ari está ali representando todos os indígenas que perderam suas vidas e seus territórios, desde 500 anos atrás e que continuam perdendo até hoje. Ari é Paulino Guajajara, Ari são os dois jovens pataxós, Ari são as 500 crianças yanomamis. E sua força de guerreiro e protetor da vida e da floresta, ecoa através da minha pintura feita de terra da cidade de São Paulo e de cinzas da floresta amazônica por toda a cidade”, descreve Mundano.

Lambe com a imagem de Ari Uru-Eu-Wau-Wau, indígena assassinado em abril de 2020 em Rondônia, no bairro da Liberdade. -Rovena Rosa/Agência Brasil
Lambe com a imagem de Ari Uru-Eu-Wau-Wau, indígena assassinado em abril de 2020 em Rondônia, no bairro da Liberdade. -Rovena Rosa/Agência Brasil

O artivista acredita que a arte vai chamar a atenção do paulistano. “Esperamos que Ari Uru-Eu-Wau-Wau toque o coração de cada um que passar pelo seu caminho e olhar nos seus olhos e que a mensagem de lutarmos juntos e soubermos sobre a história dessa cidade que ainda não sabemos, a história do genocídio indígena que aconteceu no marco zero, se entendermos agora no presente, podemos mudar o curso e garantir um futuro melhor para todo mundo".

Ari Uru-Eu-Wau-Wau, indígena assassinado em abril de 2020, em Rondônia, foi retratado em uma releitura do quadro Bananal, de Lasar Segall. O grande mural do guerreiro Ari foi feito com terra coletada no Marco Zero e misturada a cinzas de queimadas da Amazônia coletadas por Mundano. A emblemática luta do povo Uru-Eu-Wau-Wau é o tema do filmeO Território, que levou dois prêmios no Festival Sundance e concorreu a uma vaga ao Oscar.

A artivista AFolego é uma das artistas que pintaram o mural com o artista Mundano. Ela conta como é participar da intervenção.  “Eu pintei o mural, pessoalmente para mim é um misto de emoções: de tristeza por ter que fazer um memorial e uma honra em poder espalhar uma mensagem importante”, conta a artivista urbana feminista. “Sou artivista pelo direito das mulheres de existirmos livres e seguras. Minha temática é sempre alinhada a teoria feminista”. 

Para o artista manauara André Hullk, a arte é reflexão. “A gente tem que refletir sobre nossos antepassados, saber a nossa história, não apagar isso, que é exatamente o que querem quando existe o preconceito”, destaca.

Amazônia na metrópole

Os lambes também incluem uma mensagem alusiva à preservação da Amazônia. Para quem quiser se engajar na luta pela defesa dos povos indígenas e da floresta, basta usar a câmera do celular para ler o QR-Code reproduzido nos lambes e que leva à campanha Amazônia de Pé: um abaixo assinado que visa criar uma lei de iniciativa popular destinando os 57 milhões de hectares de florestas públicas na Amazônia para proteção dos povos indígenas, quilombolas, pequenos produtores extrativistas e unidades de Conservação.

Conheça alguns dos artistas e coletivos participantes da ação:

André Hullk - https://www.instagram.com/andrehullk/  

Claudinei Monteiro - @claudinei.monteiro  

Micha - https://www.instagram.com/artistamicha/  

Carina Mello - @carina_mello 

AFolego - https://www.instagram.com/afolego/ 

Bárbara Goy - https://www.instagram.com/barbaragoy/

Ju Akina - https://www.instagram.com/julianaakina/

Negana - @negana

Carol Simó - https://www.instagram.com/carolsimo.art/

Subtu - https://www.instagram.com/subtu/?hl=pt

Iskor - https://www.instagram.com/fe.iskor/

Felipe Risada - https://www.instagram.com/felipe_risada/

Thiago Monster - https://www.instagram.com/monsterectoplasma/

Filite - https://www.instagram.com/filite_art/

Rasmoke - https://www.instagram.com/rafael_rasmok/

Pedro Frazão - @pefrazao

3visao - @3visao

BANAIS - @riskavicia

Slim Rimografia - @slimrimografia

Wera - @danielwera.7

Carol Simó - https://www.instagram.com/carolsimo.art/

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Maringá, PR
22°
Tempo limpo

Mín. 19° Máx. 32°

22° Sensação
1.82km/h Vento
79% Umidade
13% (0mm) Chance de chuva
06h03 Nascer do sol
07h17 Pôr do sol
Seg 27° 18°
Ter 24° 18°
Qua 26° 18°
Qui 25° 19°
Sex ° °
Atualizado às 23h17
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,11 -0,06%
Euro
R$ 5,55 -0,04%
Peso Argentino
R$ 0,03 +0,12%
Bitcoin
R$ 125,299,61 -0,12%
Ibovespa
112,316,16 pts -1.63%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Anúncio